Adote um gato, ofereça um lar


Adote um gato, ofereça um lar

Quem adota um gato deve ter total certeza de que realmente deseja se comprometer com o cuidado de um animal, já que ele não é um brinquedo que pode ser dispensado quando nos cansarmos dele. Convém estar ciente das obrigações às quais nos comprometemos ao adotar o animal e aceitar as vantagens e desvantagens de nossa decisão até as últimas consequências, considerando que um gato comum vive cerca de 15 anos. Portanto, antes de adotar, vamos pensar bem.

Ao escolher um gato para adotar, devemos levar em conta vários fatores e considerar sempre aquilo que podemos oferecer ao animal. Neste sentido, se escolhermos um filhote, devemos saber que serão necessários mais cuidados e atenção, além de muito mais tempo e paciência. Os filhotes são adoráveis, mas devemos ter em conta que não poderemos deixá-los muito tempo sozinhos em casa e que é preciso cuidar de sua educação. Além disso, eles são levados e brincalhões e devemos estar sempre de olho neles.

Se a opção for adotar um gato de abrigo, ele já virá esterilizado. É um processo que não apresenta qualquer dano para o animal caso ele já tenha atingido a idade adulta e não afeta sua qualidade de vida. Por outro lado, evita as marcações com urina, os cios e as gravidezes não desejadas, além de diminuir a incidência de alguns tipos de câncer, como o câncer de mama e outras doenças.

Ao chegar em seu novo lar, o gato precisará de um processo de adaptação. No início, ele parecerá arisco e desconfiado, poderá negar a comida, arranhar e danificar móveis, mas, pouco a pouco, conseguiremos que o animal adapte-se e siga as regras de convivência. É importante ensinar desde o início onde se localizam as áreas de higiene, de alimentação, de banho, para dormir e para brincar.

Você também deve estar ciente de que os gatos são animais solitários e independentes, que não foram feitos para viver em bandos e, portanto, não aceitam autoridade. Em vez disso, devemos chegar a um acordo de convivência com o gato, baseado no respeito mútuo e, acima de tudo, no amor e na confiança. É evidente que teremos que chamar sua atenção caso algo que não seja permitido aconteça, mas não ao ponto de exigir uma hierarquia, como faríamos com um cachorro.

Por último, para ajudar na educação do gato, podemos enriquecer seu ambiente com bolas, ratos de brinquedo ou prateleiras nas paredes em que ele possa subir. Trata-se de oferecer elementos semelhantes aos que ele encontraria na natureza para praticar e aprender e, além disso, para relaxar e ser feliz em seu novo lar o mais depressa possível.

Assim como acontece quando decidimos passar o resto de nossas vidas com outra pessoa, também devemos nos comprometer a cuidar e amar nosso gatinho para sempre.