Antioxidantes: o que são e que papel desempenham na nutrição


Antioxidantes: o que são e que papel desempenham na nutrição

Os animais também sofrem com o envelhecimento celular, que não consiste apenas no surgimento de pelos grisalhos no animal, mas envolve uma série de alterações no organismo do animal de estimação (destruição ou danos celulares, inibições enzimáticas...) que minam suas defesas imunológicas, algumas de suas funções fisiológicas e aumentam a frequência de doenças.

O tratamento antienvelhecimento em animais deve ser orientado para a desaceleração dos processos biológicos típicos do envelhecimento e a eliminação de doenças geriátricas. É por isso que o termo “antioxidante” aparece na nutrição animal.

Os antioxidantes habitualmente utilizados são as vitaminas C e E, os carotenóides, o selênio, o zinco, o cobre e os mais atuais: bioflavonóides.

A função dos antioxidantes é prevenir a formação dos radicais livres ou barrá-los, evitando assim seus efeitos prejudiciais. Os radicais livres são produzidos com uma pequena percentagem do oxigênio que inalamos e um dos principais efeitos deles no organismo é uma alteração nos lipídios (gorduras), que danificam a membrana celular, podendo causar a morte da referida célula ou provocar alterações que levam ao câncer.


Os flavonóides, por seu lado, são um grupo de substâncias naturais, de origem vegetal, presentes em um grande número de alimentos como frutas e verduras. As propriedades biológicas, farmacológicas e médicas dos bioflavonóides são muitas.
O efeito antioxidante dos flavonóides recai na ação captadora de radicais livres e na capacidade de inibir metais, evitando os efeitos deles nas células: a inibição das enzimas, as lesões celulares, as ações cancerígenas etc. Mas, além da importante função antioxidante, essas substâncias possuem outras funções igualmente importantes para prevenir ou retardar o envelhecimento celular e melhorar a saúde do animal.

Entre elas, destacam-se a melhora imunitária que essas substâncias proporcionam e a capacidade aprimorada do animal em lidar com doenças; a inibição da histamina, uma substância responsável pela coceira e o inchaço durante uma reação alérgica; o efeito anti-inflamatório sobre a artrite ou artrose; os efeitos anticancerígenos, uma vez que melhoram as defesas naturais do corpo, ou sua função antioxidante; a eficácia na prevenção e no tratamento de certas doenças do fígado, além de arritmias cardíacas ou outras doenças do sistema cardiovascular e a prevenção de cataratas relacionadas à diabete.