Cachorros que escutam música clássica


Cachorros que escutam música clássica

As vacas produzem mais leite quando escutam música. Parece uma lenda urbana, mas há estudos que confirmam essa informação. A música parece ter um efeito sobre a fisiologia e o comportamento dos animais e vários estudos já começaram a explorar tais efeitos em aves, peixes, primatas, elefantes, vacas, cavalos e cachorros. 

Como pessoas, nós conhecemos bem os efeitos de alguns tipos de música sobre o nosso humor e comportamento. A música clássica reduz a ansiedade, melhora o humor, reduz a pressão sanguínea e a frequência cardíaca, favorece o sono, reduz a percepção da dor, aumenta a tolerância às manipulações incômodas e, em geral, atua como um moderador da resposta ao estresse. Já a música grunge, pelo contrário, provoca hostilidade, tristeza, cansaço e reduz a claridade mental. E nos cachorros? Qual é o efeito da música? É possível usar a música para moldar o humor do anima?

Estudos realizados em canis sugerem que a música clássica acalma os cachorros que, respondendo a esse tipo de estimulação acústica, latem menos e dormem mais que o normal. Mas esse efeito não acontece com qualquer peça de música clássica e tampouco com qualquer tipo de música. Por exemplo, a resposta à música heavy metal é totalmente diferente. Os animais agitam-se e reagem como se estivessem em uma situação estressante: eles sacodem-se mais do normal, dormem menos, passam a maior parte do tempo em pé e latem mais. 

O mecanismo responsável por todos esses efeitos ainda não é conhecido. No caso da música clássica, a hipótese mais avançada é a de que poderia tratar-se de um efeito de mascaramento dos sons incômodos que estão presentes no ambiente ou de algum mecanismo específico que ainda não foi identificado. É certo que um efeito existe e que, no caso do relaxamento produzido escutando alguns tipos de música, ele pode ser benéfico para o bem-estar do indivíduo. 

Estas premissas sugerem que a música, principalmente a clássica, poderia ser usada como ferramenta para moldar o humor dos nossos pets e enriquecer a qualidade de vida deles. Falta verificar quais são exatamente as características técnicas das peças musicais (por exemplo, o ritmo ou a melodia) responsáveis do efeito sobre o comportamento animal. Além disso, é importante considerar que o uso excessivo da música poderia ser mais prejudicial do que benéfico, já que um ambiente muito barulhento é um local estressante para muitos animais. Nesse caso e para melhorar o bem-estar do animal, reduzir o barulho do ambiente poderia ser mais efetivo do que usar uma música relaxante. Alguns pesquisadores sugerem que proporcionar ao animal o controle sobre a exposição à música poderia ser a maneira de resolver esse problema, além dessa forma poder ser usada para enriquecer o ambiente. Em outras palavras, nós deveríamos ensinar o cachorro a ligar e a desligar o aparelho de som para que ele possa decidir quando quer escutar música. 

A música é pouco usada para moldar o humor dos cachorros, mas as perspectivas parecem interessantes. Além disso, as pesquisas científicas continuam na busca de mais informação sobre como se pode usar a música para melhorar a vida dos nossos pets.