Como interagir com um cachorro desconhecido


Como interagir com um cachorro desconhecido

O cachorro não é o melhor amigo do homem? Então, por que às vezes ele não gosta de ser abordado na rua? Deixando de lado o caso de cachorros que têm problemas específicos com os seres humanos, a forma de nos aproximarmos e interagirmos é essencial para determinar a resposta e a aceitação por parte do animal.

Quando encontramos um conhecido na rua, geralmente nos aproximamos diretamente, olhamos para o rosto da pessoa, sorrimos, estendemos a mão e, muitas vezes, ainda damos abraços e beijos. Grande parte deste ritual é invasivo demais quando nos aproximamos de um cachorro. Então, qual é a maneira correta de se aproximar?

A aproximação deve ser feita em um ritmo tranquilo, sem pressa, dando ao cachorro tempo para ver nossa aproximação e assimilar a situação. A aproximação frontal, diretamente à frente da cabeça do animal, e a aproximação por trás que não dá ao cachorro a possibilidade de nos ver devem ser evitadas. O ideal é aproximar-se pela lateral, olhando de lado para o cachorro, evitando o olhar direto e fixo nos olhos do animal. A aproximação deve terminar antes que ela invada o espaço pessoal do animal. Cada indivíduo, seja uma pessoa ou um cachorro, tem um espaço onde apenas a presença de alguns indivíduos conhecidos é aceita. Se a proximidade com um desconhecido incomodar, o animal tentará se afastar até que a pessoa esteja fora de seu espaço pessoal. Também não podemos nos inclinar sobre ele, o que as pessoas normalmente fazem devido ao tamanho reduzido dos cachorros.

Deixar o cachorro nos cheirar antes de passarmos para o contato físico é uma boa regra, mas levar a mão até o focinho do animal para ele cheirar é também uma invasão de seu espaço pessoal. Assim, é preferível parar a certa distância e esperar até que ele decida se quer ou não se aproximar e em que ritmo. Este é o momento que podemos aproveitar para perguntar ao proprietário se podemos acariciar o cachorro e verificar se o animal aceita ou não nossa aproximação. Se o cachorro parecer assustado ou nervoso, o melhor é não tentar tocá-lo. No entanto, se ele se aproximar de forma relaxada e buscar ativamente o contato, podemos desfrutar de uma boa sessão de carinhos, sempre evitando os toques problemáticos. Há muitos cachorros que não gostam de abraços, beijos na cara ou carícias bruscas. Todos estes pontos são muito mais relevantes se o animal estiver preso e, especialmente, se ele estiver preso do lado de fora de uma loja sem o proprietário estar por perto.

Abordar e abraçar um cachorro é uma experiência muito agradável para muitas pessoas, mas é preciso saber avaliar se o animal concorda com nosso sentimento. O contato físico com uma pessoa desconhecida não é agradável para todos os cachorros, portanto, devemos saber ler os sinais do animal e respeitá-los.