Medicamentos e gatos: uma missão possível


Medicamentos e gatos: uma missão possível

Apesar da reputação de rebeldes, a maioria dos gatos, se forem bem educados e tiverem confiança em seus donos, são animais dóceis e muito fáceis de lidar. Portanto, medicá-los não precisa ser tão problemático. Além disso, os comprimidos fabricados atualmente são cada vez menores e mais fáceis de administrar. Embora isso não signifique que, às vezes, eles não rejeitem a medicação, o que nos força a usar vários truques e estratégias para que eles tomem o remédio. No caso de não conseguir dar a medicação, não haverá escolha a não ser ir ao veterinário para que ela seja injetada.

A forma líquida é a maneira mais simples de administrar o medicamento, portanto, se a escolha for possível, o melhor é optar por ela. Se não for possível, e sempre que o gato recusar, podemos esmagar os comprimidos ou retirar o conteúdo das cápsulas para misturar o pó com um pouco de água. De qualquer forma, primeiro, podemos tentar colocar o comprimido ou a cápsula diretamente na boca uma vez que, muito provavelmente, ele aceitará sem maiores complicações.

No caso do gato ficar muito nervoso ou rejeitar o medicamento de forma violenta, talvez seja necessário imobilizá-lo, envolvendo-o com uma toalha para evitar que se mexa e nos arranhe, e para que possamos segurá-lo melhor. Chamamos carinhosamente o gato para acariciá-lo e massageá-lo durante algum tempo para que ele não perceba nossa intenção e, discretamente, enrolamos a toalha ao redor de todo o corpo, exceto a cabeça, que ficará de fora para receber a medicação.

É preciso manter a calma e agir com serenidade durante todo o processo de administração do medicamento. Primeiro, para tranquilizar o gato e, em segundo lugar, para evitar erros, apertá-lo demais ou feri-lo. Depois que o gato ingerir o medicamento, continuamos a acariciá-lo por algum tempo e o elogiamos por ter superado o processo. Também podemos oferecer-lhe um petisco, o que facilitará futuras administrações.

Outra possibilidade consiste em administrar o medicamento misturado à comida, de preferência uma que ele particularmente goste, ou a alguns de seus petiscos preferidos. É melhor dar-lhe um pedaço sem medicamento primeiro para que ele não suspeite de nada. Também não é aconselhável oferecer-lhe muita comida misturada à medicação porque, se ele não comer toda a ração, não vai ingerir toda a dose do medicamento.

Como podemos ver, medicar nossos gatos não é assim tão complicado, já que existem técnicas e truques para facilitar ao máximo o processo, tanto para eles e quanto para nós.