O gato e a “cegonha”: antes de o bebê chegar


O gato e a “cegonha”: antes de o bebê chegar

Rotina

Os gatos são criaturas de rotina: eles gostam que tudo esteja controlado e que não haja imprevistos. Quando, de repente, a família cresce e aparece o primeiro bebê, a mudança de vida costuma ser radical e o gato pode começar a mostrar sintomas de estresse. A situação é ainda mais delicada se o gato nunca antes teve contato com crianças pequenas. Sabendo disto, realizar algumas simples etapas enquanto o bebê ainda não tiver nascido ajudará o gato a estar pronto para conhecer o novo membro da família.

 

Adaptação

Junto com o bebê chegam muitos estímulos novos: objetos, móveis, brinquedos, cheiros desconhecidos, sons estranhos etc. Para que a presença deles não seja uma mudança drástica, você precisa introduzi-los de maneira gradual. Por tanto, os objetos novos, como o carrinho ou os brinquedos, devem aparecer de um em um e permanecer no ambiente durante vários dias para o gato poder analisá-los sem pressa. Dar guloseimas ou brincar perto dos objetos novos é outra estratégia que pode acelerar a adaptação do gato. Nesse processo, também se recomenda o uso de feromônios de familiarização felina, substâncias que não são remédios e que ajudam o gato a recuperar a sensação de segurança no ambiente. Aliás, pulverizar os feromônios em cima dos objetos novos facilita o reconhecimento deles como objetos familiares e previne ou reduz o estresse associado às mudanças ambientais.

 

Exploração

Para o gato se familiarizar com os odores da criança, antes da chegada do bebê, você pode começar a usar os produtos de higiene e limpeza da criança. Quando finalmente o bebê nascer, você pode trazer a roupa usada por ele no hospital e deixá-la ao alcance do gato. Se o gato se aproximar da roupa e começar a explorá-la, você pode dar um prêmio, mas essa exploração não deve ser forçada de modo algum.

Familiarizar o gato com os sons que o bebê faz é outro tipo de desafio. Principalmente se o animal nunca teve contato com crianças pequenas, é importante que ele se acostume com a gravação do choro de um bebê. Essa gravação deve ser colocada com o volume baixo enquanto o dono brinca com o gato ou dá guloseimas para ele. Quando o gato parar de prestar atenção ao novo som, o exercício é repetido subindo gradualmente o volume da gravação até o volume alcançado por um bebê chorando.

 

Atenção

Com um bebê recém-chegado, outro aspecto da vida do gato que sofre uma mudança radical é a rotina diária. Isso, frequentemente, implica que o gato deixará de receber a atenção e o carinho de antes. Portanto, para cuidar do bem-estar do animal, é aconselhável estabelecer uma rotina diária previsível durante a gravidez que inclua momentos prazerosos de dedicação exclusiva ao gato por meio de brincadeiras, carinhos e atenção. Aliás, é preciso manter essa rotina quando a criança chegar. É preciso evitar, principalmente, que o gato passe de uma situação em que recebe muita atenção para uma em que não recebe quase nenhuma.

 

Refúgio

É o último aspecto importante do plano que consiste em melhorar o espaço à disposição do gato, colocando esconderijos e estruturas verticais que ofereçam um refúgio afastado do chão, deixando os recursos do gato (a bandeja, o comedouro etc.) em lugares calmos e agradáveis e criando ambientes atrativos para que ele descanse. Esse último ponto é muito importante: os gatos amam dormir em lugares macios, protegidos e quentes… e, de acordo com a perspectiva de um gato, ¡o berço de uma criança poderia ser a cama ideal! Portanto, oferecer alternativas evita que o animal descubra o berço e ajuda o animal a tomar a decisão correta. Outras medidas úteis nesse sentido são: acostumar o gato a não entrar no quarto da criança e colocar objetos no berço, como garrafas de plástico ou papel alumínio, que costumam reduzir a motivação do gato de se aninhar por lá.

 

Encontro

Com esse plano em ação, tudo está pronto para o grande dia do encontro e se, por algum motivo, parecer que o gato não está se adaptando a tantas mudanças, a ajuda de um especialista em comportamento pode ser útil para corrigir o plano e adaptá-lo às necessidades específicas de cada gato.