Alimentação dos gatos: como o meu gato come!


Alimentação dos gatos: como o meu gato come!

Desde sempre que vemos o gato como um animal muito exigente com a sua alimentação. Diz-se que não come qualquer coisa e que se mostra sempre reticente a provar novos alimentos. Há uma certa veracidade nestas afirmações, mas, para explicá-las, temos de regressar às suas origens. 

 

Carne e apenas carne

 

Os antepassados do gato eram exclusivamente carnívoros e passavam a maior parte do tempo a caçar. O gato doméstico está adaptado a este tipo de dieta: as mandíbulas, o aparelho digestivo e o seu comportamento são perfeitos para caçar. Portanto, a sua principal fonte de alimento continua a ser a carne. Hoje em dia, os fabricantes de rações têm este facto em consideração, pelo que a principal fonte de proteínas nos seus produtos é de origem animal, quer seja em forma de carnes ou aves (vitela, frango), como em forma de peixe (salmão, atum). 

 

O cheiro da sardinha… 

 

O olfato dos gatos é bastante apurado e talvez seja por isso que o cheiro do peixe tem um poder tão especial sobre eles. Assim sendo, visto que o olfato dos gatos é muito mais sensível do que o das pessoas, este é o primeiro sentido que é ativado quando se deparam com comida. Se o cheiro for apetecível, o gato é capaz de provar uma comida que pode até ser insossa. É neste momento que o paladar entra em jogo. Ambos os sentidos juntam-se para permitir que o gato aprecie a comida na sua totalidade. Relativamente ao sabor, os gatos são pouco sensíveis a sabores doces e rejeitam tudo o que é ácido e amargo, mas gostam do sabor salgado.

 

Água em abundância

 

A água é fundamental para manter a saúde e o bem-estar do gato. Os gatos precisam de água fresca e limpa independentemente do tipo de dieta que façam, pelo que deve trocar a água da tigela todos os dias. Aconselhamos a utilização de recipientes de cerâmica, vidro ou aço inoxidável, pois os de plástico podem dar um sabor mau à água e levar o gato a recusar-se a bebê-la. 

 

Nas épocas de calor, os gatos costumam beber mais do que o habitual, mas é importante que o dono conheça a quantidade de água que o seu gato bebe por dia, pois o aumento ou a redução do consumo pode significar que algo não está bem no seu organismo.

 

Comer é divertido

 

Se os gatos vivessem na natureza, dedicariam mais de seis horas do seu tempo à caça entre a procura, a localização, a captura e o consumo da presa. Em casa, os gatos só têm de se dirigir à tigela de comida e comer, pelo que é imprescindível que lhes proporcione estímulos para que não percam o interesse pelo alimento. Eis algumas ideias: 

 

• Esconda pedaços de ração em pequenas caixas de cartão com a parte de cima ligeiramente aberta para que tenham de se esforçar um pouco para conseguir a comida. 

• Junte duas embalagens de iogurte, faça uns buracos do tamanho de uma moeda e coloque ração seca. Passe uma corda à volta das embalagens e pendure-as a uma distância a que o gato consiga chegar. É necessário que estimule o seu gato para que este dê pancadinhas com as patas de forma a conseguir obter o precioso manjar. 

 

Estas são apenas algumas ideias. Se pensarmos mais um pouco, de certeza que conseguiremos encontrar mil e uma maneiras de desfrutar de um momento de diversão com o nosso gato, ao mesmo tempo que melhoramos a sua qualidade de vida.

 

Por que razão o meu gato não come? 

 

• O stress é inimigo da alimentação. Uma mudança, uma hospitalização ou a perda de um membro da família podem fazer com que o gato perca o apetite. 

• Os gatos também recusam os alimentos que não contêm determinadas vitaminas e minerais, como a tiamina, e, por isso, a dieta deve conter os nutrientes necessários para satisfazer todas as suas necessidades. 

• A idade, o estado de saúde e a atividade sexual também influenciam o apetite do seu gato. Um gato mais velho, por exemplo, terá uma menor capacidade para apreciar o sabor da comida. 

• Não deve colocar o recipiente da ração em qualquer lugar da casa. Os gatos são muito sensíveis tanto à luz como ao barulho, por isso deve colocar a tigela de comida num ambiente calmo e descontraído.

• Deve colocar o recipiente da água longe do da comida, para que o gato tenha de se deslocar para obtê-la, tal como faria em condições naturais. Também é importante que tenha mais do que um recipiente de água para cada gato e que estejam sempre limpos.