Dão-se como cão e gato


Dão-se como cão e gato
As expressões

“lutam como cão e gato” ou “são como cão e gato” utilizam-se para referir que dois indivíduos não se dão bem um com o outro. O conflito entre estas duas espécies é uma ideia preconcebida que se baseia em algumas razões biológicas.

Para começar, o gato tem o tamanho ideal para o cão reconhecê-lo como presa e persegui-lo se o vir a correr. No entanto, cães e gatos podem viver debaixo do mesmo teto sem que ocorram problemas de predação.

Contudo, quando vivem juntos, muitas vezes há problemas de compreensão que podem provocar dificuldades de interação entre ambos. Ambas as espécies comunicam através de sinais visuais (como a postura), olfativos (como a marcação do território com urina) e acústicos (como o ato de ladrar e miar).

Alguns dos sinais de comunicação emitidos são claros, pois baseiam-se num código universal partilhado entre espécies diferentes: o tamanho grande e os sons graves têm um efeito ameaçador.

À exceção destes sinais, há outros que são específicos de cada espécie e que podem ser mais difíceis de interpretar corretamente.

Um cão que se deite de barriga para cima está a mostrar submissão e a tentar reduzir o conflito com outro indivíduo, ou está a pedir interação social e festas na barriga. Contudo, um gato pode expor o abdómen como convite para brincar, durante o ritual de acasalamento ou para se defender com as unhas das quatro patas, caso enfrente uma ameaça muito intensa.

Apesar destas diferenças básicas, cães e gatos podem aprender a perceber o significado dos sinais de comunicação um do outro e a viver em harmonia. Para haver harmonia, o ideal é que vivam juntos desde bebés. Desta forma, aumentamos a probabilidade dos animais desenvolverem um bom relacionamento e evitamos o treino necessário para que se aceitem um ao outro, caso os juntemos quando são adultos.

Então, ¿por que não mudamos o significado de “ser como cão e gato”?