É uma brincadeira ou é a sério?


É uma brincadeira ou é a sério?

Nem sempre é fácil reconhecer uma brincadeira. Numa brincadeira, os cães podem rosnar, morder, lançar-se, perseguir, cobrir…, mas tudo isto sem a verdadeira intenção de caçar, acasalar ou atacar. Para muitos donos, não há muita diferença entre um rosnar verdadeiro e um rosnar de brincadeira e, em alguns casos, até os cães se enganam e podem passar de uma brincadeira para a luta.

Para evitar que tenha dúvidas acerca das suas intenções brincalhonas, os cães costumam emitir sinais que tiram a “seriedade” ao seu comportamento. Cotovelos no chão, parte traseira levantada, expressão descontraída e atenta, boca aberta, latido agudo, cauda para cima e movimentos amplos: é um sinal familiar para muitos donos e serve para convidar para a brincadeira. Os cães costumam utilizar estes sinais para começar a brincadeira ou para evitar mais riscos de mal-entendidos, como quando brincam com cães desconhecidos ou antes de uma ação que poderá ter um sentido ambíguo, como lançar-se.

Dar pequenos saltinhos dobrando os cotovelos e sem se mover do sítio, ou aproximar-se e afastar-se de forma brusca do companheiro de brincadeira, são outros sinais que servem como convite para a brincadeira.

Estes sinais ajudam o dono a distinguir entre a brincadeira e a agressão. No entanto, a sua ausência não significa que os cães não estejam a brincar. Nestes casos, há outros aspetos que ajudam a decidir se a interação deve ser interrompida: a presença de feridas, as tentativas repetidas de um dos cães no sentido de parar a brincadeira, poucos comportamentos que mostram vontade de continuar a brincar, um cão que controla todos os movimentos do outro, poucas pausas na brincadeira com aumento da excitação e vocalizações que passam de tons agudos para tons baixos e ameaçadores. Quando isto acontecer ou se tiver dúvidas de que os cães não estão a brincar, é importante separá-los antes que comece uma agressão a sério.