Miminhos: uma forma de falar


Miminhos: uma forma de falar

A reação de um gato ao contacto físico depende da zona onde lhe toca. Aprenderá rapidamente, como qualquer outro dono, que os gatos gostam de receber carinhos por baixo do queixo, atrás das orelhas e nas costas até à base da cauda. Para os gatos selvagens, a limpeza recíproca envolve o contacto com essas mesmas partes do corpo. No entanto, os gatos não gostam de ser acariciados em partes do corpo, como a barriga, nem de receber festas no sentido contrário ao pelo. E embora a maioria das pessoas pense que os gatos não são tão sociáveis como os cães, os mimos e a satisfação que retiram das mesmos demonstram a sua natureza social.

Por exemplo, dois gatos que se conheçam numa situação amigável cumprimentam-se esfregando-se e cheirando o nariz um do outro. Na verdade, acredita-se que os gatos reconhecem-se pelo cheiro. De forma semelhante, os gatos também tocam com o nariz nas pessoas. Alguns gatos batem com a cabeça na do dono como sinal de afeto, às vezes até com bastante força.

Os gatos esfregam as partes do corpo que têm glândulas odoríferas para deixar o seu próprio cheiro no gato, pessoa ou superfície em que tocam, embora o seu odor só seja percetível por outros gatos.

Os felinos têm glândulas odoríferas na base da cauda, sendo essa a razão por que a esfregam em superfícies verticais como as pernas das pessoas. Outro gesto comum nos gatos é a utilização das patas dianteiras para fazer um movimento parecido com o de massajar em cima de objetos, como cobertores, e em cima das pessoas. Isto acontece porque os gatos têm glândulas odoríferas especiais na parte inferior das patas. Este comportamento costuma manifesta-se em gatinhos jovens que utilizam este movimento para estimular a saída do leite materno. Não há uma explicação clara sobre a razão que leva os gatos adultos a continuarem a fazer esse movimento de massajar. Acredita-se, contudo, que na maioria dos casos esse comportamento possa representar um gesto de conforto, que os gatos continuam a fazer por terem sido domesticados para ser dóceis.

Qualquer gesto que um gato receba ou faça tem o seu significado. E embora não haja uma explicação para a maioria deles, não há melhor maneira para comunicar com um gato do que observá-lo todos os dias e tentar aprender a sua linguagem baseada em gestos.