O poder dos carinhos


O poder dos carinhos

Os carinhos e o contacto físico são uma das bases da relação entre cães e pessoas. Contudo, o prazer não é todo das pessoas: enquanto o dono mima o animal e relaxa, o cão também parece apreciar o efeito relaxante da massagem. A respiração fica lenta e regular, o coração bate mais devagar e fica relaxado e tranquilo. Além disso, libertam substâncias que melhoram o humor, como a oxitocina, que reforçam os laços afetivos com a pessoa.

O efeito agradável dos carinhos pode depender tanto da descontração física que causam como da proximidade com as pessoas que são “importantes” para o cão. Este efeito justifica que, em alguns casos, se utilizem os mimos como recompensa durante o treino do animal, embora a sua eficácia seja inferior ao alimento ou às brincadeiras.

Acredite ou não, nem todos os carinhos e mimos são relaxantes e agradáveis. Por exemplo, tem-se observado que, em geral, os cães ficam mais relaxados quando recebem massagens de uma mulher do que de um homem. Além disso, a forma como se dão carinhos é importante. Os “carinhos reconfortantes” fazem-se, geralmente, ao deslizar a mão, lenta e firmemente, da cabeça até à cauda ou ao massajar profundamente os músculos, ao passo que toques bruscos em certas partes do corpo podem causar desconforto ao animal.

Cada dono sabe quais são as áreas do corpo onde o cão gosta mais de receber massagens. No entanto, um estudo revelou que a zona onde se faz a massagem não é importante para obter o efeito calmante. Apesar de muitas pessoas preferirem dar festas na cabeça e no pescoço do cão, o contacto com estas partes do corpo pode provocar uma resposta agressiva em alguns animais, visto que, na comunicação entre cães, o contacto com estas zonas pode ser associado a questões de hierarquia.

Todavia, há cães que raramente veem o contacto físico com pessoas como relaxante e agradável. De facto, a possibilidade de desfrutar de uma massagem não depende apenas do contacto físico, mas também da socialização do cão, das suas experiências anteriores, do quão habituado está a receber carinhos e da familiaridade com a pessoa que está a fazer a massagem. Os cães medrosos, os que mais beneficiariam de carinhos relaxantes, são também os que mais frequentemente percecionam como intimidante esta interação com as pessoas.

As sessões em que os cães se habituam a relaxar através de carinhos deveriam fazer parte da interação normal com o animal, para que o contacto físico pudesse ser utilizado, se necessário, na gestão de situações de excitação ou medo, como durante uma visita ao veterinário.