Os gatos e as alturas


Os gatos e as alturas

Estamos a andar pela rua e vemos um grupo de pessoas por baixo de uma varanda. Ao olhar para cima, vemos um gato a andar no parapeito de uma varanda. “¡Meu Deus! "Vai dar uma grande queda", dizem algumas pessoas. “¡"Ah, não faz mal!”, dizem outros. “Os gatos caem sempre de pé e nunca se magoam”.

Se acreditarmos na crença popular, há mais pessoas a integrar o primeiro grupo do que o segundo. Apesar de sabermos que a sabedoria tradicional muitas vezes está certa, temos de admitir que por vezes está errada.

É verdade que muitos gatos têm uma grande paixão pelas alturas e vemo-los muitas vezes no cimo de telhados, nas árvores ou a descansar no parapeito de uma janela, como se fosse a coisa mais natural do mundo.

Se, por qualquer razão, um gato cair duma altura dessas, o seu extraordinário sentido de equilíbrio e corpo extremamente flexível permite-lhe virar a cabeça, tronco e membros de modo a que todas as quatro patas fiquem viradas para baixo. Imediatamente antes do contacto com o chão, estica as patas e arqueia as costas para reduzir a força do impacto.

Esta sequência perfeita, tirada do manual “Como cair bem para gatos principiantes”, nem sempre funciona. Tudo depende da altura e da velocidade da queda, os fatores que afetam a sua capacidade de reação para adotar a postura correta e amortecer o impacto, bem como da superfície em que cai: cair na relva macia não é o mesmo que cair num chão duro. Contudo, o método não funciona a não ser que seja para mostrar o quanto gostamos dele, lançando-o ao ar como um bebé.

Por isso, tem de respeitar as particularidades do gato e a sua paixão pelas alturas, sempre com o bom senso de mantê-lo afastado de zonas perigosas.