Viajar com o nosso gato


Viajar com o nosso gato

Muitas vezes, os gatos preferem ficar a controlar o seu território do que viajar. Isto acontece devido à sua sensibilidade a mudanças de ambiente. Por isso, caso não planeemos estar muito tempo fora, talvez seja preferível deixá-lo em casa e pedir a alguém que vá vendo se está tudo em ordem a cada 2 ou 3 dias.

Se, por algum motivo, tivermos de viajar com o nosso gato, é sempre aconselhável que nos desloquemos no nosso próprio veículo, onde teremos um maior controlo sobre a viagem. Seja como for, se desejarmos incluir o nosso gato nas nossas viagens, temos de habituá-lo a viajar de carro.

Caso tenhamos de utilizar outro meio de transporte, como o avião, as condições da viagem mudam drasticamente. Primeiro, algumas companhias aéreas não permitem levar animais na cabina, pelo que não poderemos estar perto do nosso gato. Neste caso, e sempre com a ajuda do nosso veterinário, poderá ser necessário administrar-lhe algum tipo de sedativo para lhe facilitar a viagem.

O mais aconselhável será levá-lo numa transportadora de caixa rígida para gatos para protegê-lo de possíveis pancadas e, ao mesmo tempo, mantê-lo controlado. Convém que a transportadora seja o maior possível para que o gato esteja confortável e não se sinta demasiado fechado. Em todo o caso, o animal deverá estar familiarizado com a sua transportadora antes da viagem. Para tal, coloque-o com antecedência perto da transportadora ou coloque uma manta que o gato utilize habitualmente no interior da mesma, para que se sinta em casa.
 

Independentemente do meio de transporte que utilizemos, existe uma série de aspetos que devemos ter em conta antes de partir. Primeiro, temos de levar connosco os certificados veterinários de saúde e relativos à raiva em dia, principalmente em viagens internacionais. Além disso, deve identificar bem o animal: para além de levar o chip identificador, nunca é de mais identificar a transportadora com um cartão bem visível com os nossos dados de contacto. Outro aspeto a ter em conta é que não devemos alimentar o gato nas três horas anteriores à partida e devemos certificar-nos de que ao chegar ao destino teremos acesso à sua ração habitual. Por fim, não nos podemos esquecer de verificar previamente se o lugar onde estaremos alojados permite a estadia de animais.

Após tomar todas estas precauções, só lhe resta desfrutar da viagem. ¡Boa viagem para si e para o seu gato!