Tempo de leitura: 3 minutos

 

Analisámos as novidades mais recentes sobre o hipotiroidismo nos cães É necessário modificar a dose de fármacos? Causa predisposição à piodermite ou à lama biliar?

Neste artigo iremos falar dos últimos avanços no hipotiroidismo nos cães. Iremos abordar 4 resumos recentes que estão disponíveis na página da Vets Affinity, juntamente com muitos outros sobre outras patologias.

 

1. Efeito do hipotiroidismo induzido experimentalmente em cães na concentração alveolar mínima de isoflurano. Berry SH et al. Vet Anaesth Analg 2014

O objetivo deste estudo é avaliar o efeito do hipotiroidismo induzido experimentalmente em cães na concentração alveolar mínima (MAC) de isoflurano. Foram analisadas 18 cadelas adultas mestiças e a metade delas foi induzido o hipotiroidismo. Os resultados foram analisados 9-12 meses após a indução do hipotiroidismo nos cães.

 

New Call-to-action

 

Os resultados foram os seguintes:

  • A média de isoflurano na MAC foi de 0,98 ±0,31% nas cadelas com hipotiroidismo, em comparação com 1,11 ±0,26% nas cadelas com eutiroidismo (funcionamento normal da tiroide).
  • Não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas entre a média de isoflurano na MAC nos animais com hipotiroidismo e nos animais com eutiroidismo (p = 0,3553)

Conclui-se que a MAC de isoflurano nos cães não se modificou devido ao hipotiroidismo induzido experimentalmente e, portanto, o hipotiroidismo nos cães não é uma indicação para diminuir a dose de isoflurano.

 

2. Eficácia da combinação de cefpodoxima com ácido clavulânico no tratamento da piodermite recorrente nos cães Sudhakara RB et al. Vet Sci 2014 

Foram avaliados os transtornos associados à piodermite recorrente. Entre eles estavam a demodicose, a dermatite por Malassezia, a infestação por pulgas, o hipotiroidismo e os transtornos da queratinização (seborreia).

Para o tratamento foi utilizada cefpodoxima com ácido clavulânico, juntamente com a medicação simultânea apropriada para os transtornos associados.

A resposta ao tratamento foi excelente em todos os casos, com uma melhoria que surgiu entre os 9 e os 19 dias nos casos de piodermite superficial recorrente e entre os 17 e os 21 dias nos casos de piodermite profunda recorrente.

Porém, ocorreu uma recaída num cão aos 45 dias, provocada por um hipotiroidismo associado.

 

3. Tireotoxicose exógena nos cães atribuída ao consumo de alimentos comerciais baseados em carne e com excesso de hormona da tiroide. Broome MR et al. J Am Vet Med Assoc 2015; 246: 105-111 

Descrevem-se as conclusões clínicas sobre os cães com tireotoxicose exógena provocada pelo consumo de alimentos com alto teor de hormona da tiroide. É um estudo retrospetivo respeitante a um caso, tendo sido analisados posteriormente outros 13 casos.

Quantificaram-se os valores de hormonas da tiroide no soro de animais antes de consumirem estes alimentos e depois da retirada desses produtos do mercado. Também foi avaliado o tecido da tiroide através de uma cintilografia efetuada previamente em 13 dos 14 cães, e em 1 dos 13 cães após a interrupção da alimentação suspeita.

Os níveis das concentrações de tiroxina no soro eram altos em todos os cães, no início do estudo. A cintilografia mostrou uma diminuição da captação na glândula nos 13 cães examinados.

4 semanas após a interrupção da alimentação suspeita, as concentrações totais voltaram aos valores normais em todos os cães e os sinais clínicos associados à tireotoxicose, se existentes, desapareceram.

 

4. Lama na vesícula biliar: Conclusões clínicas e ecográficas Cook AK et al. J Am Anim Hosp Assoc. 2016 Mar 23

Este estudo avalia se as conclusões clínicas elaboradas a partir de material ecogénico na vesícula biliar de cães têm algum significado patológico. Foram examinadas as vesículas biliares através de ecografias em 200 cães, em conjunto com a restante informação clínica.

Os resultados foram os seguintes:

  • 66,5% dos cães apresentavam um pouco de material hiperecogénico dentro da GB.
  • Os cães com mais de 25% de lama biliar eram mais velhos do que aqueles que apresentavam quantidades menores de lama.
  • Os cães com hiperadrenocorticismo espontâneo ou hipotiroidismo eram mais propensos a apresentar mais de 25% de lama biliar (odds ratio: 5,04).
  • A presença de mais de 25% de lama biliar foi associada a um aumento do volume da vesícula biliar, o que sugere que algumas mudanças na sua função ou na sua flexibilidade podem afetar a formação desta lama biliar nos cães.

 

New Call-to-action