Atualização em mastocitoma canino

mastocitoma canino Tempo de leitura: 2 minutos

O mastocitoma canino é um tumor muito frequente nos cães. Iremos atualizar-lhe sobre os fatores prognósticos e o novo modelo de classificação.

O mastocitoma canino é um dos tumores de pele mais frequentes nos cães. São neoplasmas que se originam a partir dos mastócitos que habitam na derme. Hoje vamos analisar 3 das últimas publicações sobre mastocitoma canino.

 

  1. Evolução e fatores de prognóstico seguintes a quimioterapia com prednisona/vimblastina para o mastocitoma canino de alto risco: 61 casos  D. H. Thamm et al. J.Vet.Med.Sci. 68 (6):581-587, 2006.

Foram revisados os ficheiros médicos de 61 cães com mastocitoma canino com alto risco de metástase e que receberam tratamento com vimblastina e prednisona depois da cirurgia e/ou radioterapia. Em até 26% dos cães, houve efeitos secundários, em geral leves, depois da primeira dose de vimblastina. O efeito secundário mais frequente foi a neutropenia (6,5%).

O intervalo livre da doença foi de 1305 dias, estando vivos 65% dos pacientes aos 3 anos.

Os fatores preditores da evolução foram: o grau histológico, a posição da neoplasia e a administração da radioterapia.

Os tumores de alto grau e os mucocutâneos apresentaram uma pior sobrevivência.

 

  1. 2Mastocitoma subcutâneo canino: diagnóstico e prognóstico Newman SJ et al. J Comp Pathol. 2007;136:231-239.

Este estudo pretende caracterizar a evolução clínica da variante subcutânea dos mastocitomas. Foram revisados os históricos médicos de 53 cães. A idade média dos participantes foi de 9 anos. A imuno-histoquímica confirmou o diagnóstico de mastocitoma canino. Em até 66% dos cães as margens cirúrgicas consideraram-se incompletas. 6% dos pacientes apresentaram metástase. O tempo médio de sobrevivência foi de 1.199 dias.

 

New Call-to-action

 

Estes resultados apontam que a variante subcutânea do mastocitoma canino tem um tempo de sobrevivência maior, apresentando um subtipo histológico intermédio com um prognóstico a longo prazo mais benigno que a variante cutânea.

 

  1. 3Graduação histológica do mastocitoma canino: 2 é melhor que 3? Sabattini S et al. Vet Pathol 2015;52: 70-73.

O comportamento biológico do mastocitoma canino é bastante variável. Kiupel et al propuseram recentemente um novo sistema de classificação baseado em 2 níveis histológicos. Nesse estudo compararam a capacidade desse novo sistema com o antigo sistema de Patnaik para ver a sua capacidade de predizer sobrevivência.

Foram avaliados os graus histológicos segundo estes dois sistemas em 137 amostras de mastocitomas extirpados. Avaliaram a relação do grau histológico com a sobrevivência.

A seguir o sistema antigo, 13,1% dos mastocitomas foram de grau I, 60,6% de grau II e 26,3% de grau III. O grau III mostrou um prognóstico pior. O problema do sistema antigo era que não se tinha em conta a variabilidade entre os observadores distintos

Esse estudo confirma que o novo sistema de classificação em 2 níveis tem um alto valor prognóstico. Confirmou-se também que o grau histológico não prediz o comportamento biológico do mastocitoma canino, sendo necessário ampliar a informação mediante métodos moleculares para obter um prognóstico mais preciso.

 

Artigos relacionados:

 

New Call-to-action

Entradas relacionadas

No hay comentários

Ainda não existe nenhum comentário para esta entrada.

Escreva um comentário