cataratas nos cães Tempo de leitura: 2 minutos

As cataratas nos cães surgem geralmente com a idade, ainda que existam certas raças e patologias que aumentam as chances de vir a desenvolver cataratas. Explicamos-lhe o que precisa de saber antes de submeter o seu cão a uma cirurgia de cataratas.

Se o cristalino do olho do seu cão se apresenta esbranquiçado e opaco, e se o animal se movimenta de forma desajeitada, será importante realizar uma revisão oftalmológica para determinar se existem cataratas. As cataratas nos cães costumam ser hereditárias e afetam os cães mais idosos.

Um diagnóstico e um tratamento precoces são de extrema importância para que o cão não sofra uma perda permanente da visão. A cirurgia é semelhante à praticada em humanos. O cristalino é extraído e coloca-se uma prótese. Ainda assim, antes de submeter o cão a uma cirurgia de cataratas é essencial verificar alguns fatores.

 

Antes da cirurgia de cataratas nos cães

Previamente, será necessário realizar os seguintes procedimentos:

  • Um exame completo ao olho. Serve para determinar se o olho se encontra em condições de ser operado.
  • Um eletroretinograma para avaliar o funcionamento da retina
  • Uma ecografia ocular para examinar a zona posterior do olho. Estes 2 exames são fundamentais para nos assegurarmos de que o cão recuperará a visão depois de extraída a catarata.

 

New Call-to-action

 

Devido ao facto de a cirurgia de cataratas nos cães ser realizada sob anestesia geral, também é necessário proceder a uma revisão geral da saúde e condição corporal do cão, através de uma avaliação pré-operatória. Esta avaliação inclui uma análise ao sangue, controlo da tensão arterial e revisão do historial clínico do cão.

Antes da cirurgia, podem introduzir-se, de forma gradual, uma série de mudanças que facilitarão o período pós-operatório. Por exemplo, pode-se habituar o animal a usar o cone. Se o cão utilizar o cone por breves períodos de tempo antes da cirurgia, não se sentirá tão assustado durante o período de convalescença.

 

Evitar complicações

Realizar a cirurgia de cataratas nos cães atempadamente irá evitar complicações, tais como infeções ou inflamações oculares. Por exemplo, se a catarata já estiver bastante desenvolvida, será mais dura e a cirurgia tornar-se-á mais complicada, podendo dar lugar a mais complicações no decorrer da mesma.

É uma cirurgia que requer anestesia. As complicações surgem apenas em cerca de 5% dos casos.

 

Recomendações para depois da cirurgia de cataratas nos cães

  • Evitar longos períodos de exercício físico: o cão precisa de repouso para se recuperar. Se se trata de um animal muito inquieto, os passeios terão de se fazer com um arnês para evitar movimentos bruscos. Nada de corridas nem brincadeiras.
  • Colocar o cone protetor: evita que se magoe ao coçar-se. Preferivelmente, deverá usá-lo durante 4 semanas.
  • Administrar-lhe os medicamentos receitados pelo veterinário: desta forma, evitará o aparecimento de infeções. Além disso, é necessário vigiar o possível aparecimento de reações de sensibilidade. Será necessário consultar o veterinário no caso de surgirem remelas ou se o animal se encontrar irritável ou com o olho inchado. Poderá tratar-se de uma reação ao medicamento, o que pode ser facilmente resolvido com uma simples troca de fármacos.
  • Durante as 3 semanas após a cirurgia de cataratas nos cães, esqueça os banhos.

 

Fontes: mascotafiel.com e oftalmologiaveterinaria.es

 

Artigos relacionados:

 

New Call-to-action