cinomose canina Tempo de leitura: 2 minutos

Apresentamos-lhe as últimas novidades sobre o vírus cinomose nos cães. As novas técnicas de deteção e os diferentes fenótipos que a doença pode adotar.

A cinomose nos cães é causada por um Morbillivirus da família Paramyxoviridae. O tecido linfoide serve de base para a sua replicação. Produz-se uma grave imunossupressão do animal.

Neste artigo vamos resumir as últimas publicações relevantes sobre a cinomose nos cães. Esperamos que seja útil.

 

  1. Deteção do vírus cinomose canino mediante PCR-transcriptase-reversa na urina dos cães com sintomas de encefalite por cinomose.. Saito TB et al. Res Vet Sci. 2005 May 3

É um estudo prospetivo que determina o uso de uma PCR transcriptase inversa em mostras urinárias, para estabelecer o diagnóstico de cinomose nos cães com dano neurológico progressivo.

Obtiveram-se amostras urinárias de 22 cães, nos quais se pode amplificar um gene da proteína nuclear do vírus cinomose canino.

 

New Call-to-action

 

Analisaram-se também os leucócitos e os fluidos corporais dos 12 cães assintomáticos através da mesma técnica, sendo em todos eles negativos.

Os autores sugerem que a PCR transcriptase inversa é mais sensível em amostras urinárias do que em leucócitos ou soro, mas tão sensível quanto amostras de LCR. Por essa razão, poderia ser útil realizar um rastreio da cinomose nos cães sintomáticos.

 

  1. Pneumonia intersticial em filhotes recém-nascidos com evidências de infeção pelo vírus cinomose canino. K. Pandher et al.J.Vet.Diagn.Invest 18 (2):201-204, 2006.

Analisaram-se 4 filhotes mortos entre os 5 e os 12 dias de vida, que viviam em abrigos para animais. Os 4 filhotes foram levados às clínicas por sinais respiratórios com ou sem diarreia associada.

As autópsias mostraram descobertas similares em todos eles. Nos pulmões havia lesões compatíveis com uma pneumonia intersticial subaguda. Três dos 4 animais eram positivos para o vírus cinomose mediante a PCR transcriptase inversa.

A analisar os pulmões através de imuno-histoquímica, os 4 filhotes deram positivo para o vírus cinomose nos brônquios, células bronquiais e macrófagos alveolares.

Nenhum apresentava dano no sistema nervoso central.

A conclusão é que a cinomose canina deveria ser tida em conta no diagnóstico diferencial de doenças de vias respiratórias em recém-nascidos, apesar de não existir sintomas neurológicos.

 

  1. Encefalite necrotizante associada a uma infeção por vírus cinomose sistémico em filhotes .  Amude AM et al.J Vet Sci. 2011 Dec;12(4):409-12

Este estudo chama a atenção par a uma manifestação neuropatológica pouco frequente do vírus cinomose em 2 filhotes de Pitbull de 16 dias de vida.

O vírus cinomose provocou mudanças na massa cinzenta e branca do cérebro, apenas na zona anterior, respeitando as regiões posteriores cerebrais.

Na anatomia patológica, encontrou-se necrose com destruição parenquimatosa nervosa com muito componente inflamatório e células reativas agrupadas. Nas células gliais existem corpos de inclusão eosinófilos ao nível do núcleo.

A imuno-histoquímica foi positiva para antígenos do vírus cinomose a nível astrocitário e neuronal. A utilizar a PCR transcriptase inversa, detetaram-se ampliações do vírus em diferentes fragmentos cerebrais.

Tudo isso apoia que o vírus está presente na etiopatogenia das lesões cerebrais.

 

Artigos relacionados:

 

New Call-to-action