Como baixar a febre nos cães?

O espaço de referência dos veterinários #SomosVets

Como baixar a febre nos cães?

A presença de febre nos cães, como baixá-la e quando fazê-lo, são motivos frequentes de consulta na prática clínica generalista.

Medicina e cuidados

Introdução

A febre consiste num aumento da temperatura corporal como consequência de uma elevação do ponto de ajuste da temperatura interna ao nível do hipotálamo, devido à libertação de pirógenos. Ao contrário do que acontece com a hipertermia não febril, em que o animal se esforça por reduzir a temperatura corporal, no cão com febre são ativados mecanismos fisiológicos endógenos para conservar o calor (vasoconstrição ou tremores) e atingir a nova temperatura indicada pelo centro termorregulador.1

Descarregue a guia gratuitamente para saber tudo sobre a Imunonutrição dos cães

A febre nos cães ocorre como uma resposta adaptativa do organismo perante a doença, tendo esta resposta consequências positivas e negativas:

  • Entre as consequências positivas estão o aumento da sobrevivência, a redução da duração da doença, a melhoria da função do sistema imunitário e a produção de proteínas de fase aguda.
  • Entre os efeitos negativos incluem-se: o aumento do número e gravidade de sinais clínicos, o aumento do índice metabólico e a redução de alguns processos constitutivos, como a capacidade da hemoglobina de transportar oxigénio.1
     

De um modo geral, é aceite que, nas doenças ligeiras, predominem os efeitos benéficos, ao passo que, nas doenças graves, acontece o contrário; portanto, se há febre no cão, faz sentido saber como baixá-la.

Considera-se que a temperatura retal normal no cão é de 38ºC-39,2ºC, mas não é raro que cães saudáveis na consulta tenham temperaturas de até 39,7ºC.

As temperaturas em repouso >41,1ºC são potencialmente perigosas para a vida, já que podem causar danos neurológicos, coagulação intravascular disseminada e diversas alterações metabólicas.1

febre nos caes

Causas da febre no cão

As principais causas de febre num cão são de origem infeciosa, imunomediada, neoplásica ou inflamatória.1 Embora a tendência geral seja relacionar a febre persistente a um processo infecioso, dois estudos que avaliaram os diagnósticos finais em cães encaminhados por febre no Reino Unido e em França concluíram que a principal causa de febre eram as doenças imunomediadas2 e as doenças inflamatórias não infeciosas (incluindo também as imunomediadas).3

FEBRE DE ORIGEM DESCONHECIDA (FOD)

Por sua vez, o termo febre de origem desconhecida (FOD) refere-se a um cão com uma temperatura retal > 39,2ºC durante mais de 21 dias consecutivos, em que depois de ter sido avaliado em, pelo menos, 3 ocasiões pelo médico veterinário ou de ter permanecido hospitalizado 3 dias, e após ter obtido uma base de dados mínima, não é possível determinar a causa da febre.

Este termo também foi utilizado em cães que mantêm a febre depois de um tratamento antibiótico de 7-10 dias por suposta infeção bacteriana.1,4

[Leishmaniose canina] → Quer saber mais sobre a Leishmaniose canina e o seu  tratamento?  ↓Descarregue gratis esta Revisão sobre a doença↓

Avaliação clínica do cão com febre

Em alguns casos, são os tutores que vão à consulta e dizem que o cão está com febre porque lhe mediram a temperatura em casa após observarem sinais inespecíficos como letargia, hiporexia ou apatia. Em muitos outros casos é o médico veterinário que diagnostica a existência de febre durante o exame físico. É possível que este exame inicial já revele qual é a causa da febre ou que, pelo menos, sugira quais devem ser os passos seguintes a dar. Se não for o caso, mas a temperatura for >41,1ºC, está indicada a realização de exames de diagnóstico (hematologia, bioquímica, urianálise, serologias e exames imagiológicos) para tentar fazer um diagnóstico preciso.

  • Se a febre persistir depois da realização destes exames, pode considerar-se uma avaliação adicional que inclua cultura de urina, sangue, artrocentese, análise do líquido cefalorraquidiano e citologia ganglionar.1
  • Se a temperatura for < 41,1ºC e os sinais clínicos não forem graves, pode optar-se simplesmente por monitorizar a temperatura ou administrar tratamento antipirético
    • Neste caso, se a febre persistir depois de 5 dias ou reaparecer quando o tratamento for interrompido, é necessário estabelecer um plano de diagnóstico.1

Tratamento da febre nos cães: como baixá-la

Não existem estudos que demonstrem que o tratamento específico da febre tenha efeitos na sobrevivência e prognóstico. Perante a presença de febre nos cães, baixá-la deve ser considerado um requisito terapêutico específico apenas em casos de febre alta e persistente em que o médico veterinário considere que os efeitos negativos potenciais da febre superam os positivos. No entanto, é difícil saber se a melhoria clínica apresentada por doentes que recebem tratamento antipirético se deve ao baixar da temperatura ou ao efeito anti-inflamatório e/ou analgésico de muitos dos fármacos usados para este fim.1

  • Os anti-inflamatórios não esteroides têm sido historicamente, e continuam a ser, os fármacos de eleição para baixar a febre. No entanto, devem ser considerados os seus possíveis efeitos secundários (renais, digestivos ou hematológicos) antes de os usar.
  • Os glucocorticoides também têm efeitos antipiréticos, pelo que poderiam ser úteis no tratamento da febre. Contudo, também são fármacos com frequentes efeitos secundários que poderão mascarar o diagnóstico definitivo ou até reduzir a eficácia do tratamento em determinadas doenças. A sua indicação principal seria em doentes com evidência de doença imunomediada.1
  • O arrefecimento físico, como método para baixar a temperatura corporal, fica reservado para doentes em que se suspeita um certo componente de hipertermia.
  • A administração de fluídos pode ser necessária, já que a febre aumenta as perdas insensíveis de água, ao mesmo tempo que reduz o consumo da mesma. Além disso, os fluídos poderão ajudar a reduzir a temperatura em determinados casos.1
  • Foi recomendada a administração de antibióticos de amplo espetro (amoxicilina/ácido clavulânico ou doxiciclina em zonas de doenças vetoriais) em todos os cães com febre e sinais de infeção bacteriana, assim como em doentes em que a febre persiste mais de 5 dias.1 No entanto, a administração empírica de antibióticos poderá ser questionável, tendo em conta a preocupação global com o aumento das resistências microbianas.5   

Conclusões

É muito frequente o médico veterinário clínico atender cães com febre. Nestes casos, antes de pensar em administrar antipiréticos ou antibióticos, deveríamos ponderar se é conveniente estabelecer primeiro um plano de diagnóstico. A administração destes fármacos pode mascarar os sinais da doença e dificultar o diagnóstico. Se já os tivermos administrado e decidirmos posteriormente encaminhar o doente ou realizarmos nós próprios exames de diagnóstico, devemos interromper a sua administração nos dias anteriores.

Descarregue GRATUITAMENTE → Clinical Tool: Abordagem multimodal  no tratamento das doenças do trato urinário inferior felino. 

Bibliografia
1. Ramsey IJ, Tasker S. Fever. Em Ettinger SP, Feldman EC, Cote E. (eds). Textbook of Veterinary Internal Medicine. 8th ed. Elsevier. 2017; 679-694.
2. Battersby IA, Murphy KF, Tasker S, et al. Retrospective study of fever in dogs: laboratory testing, diagnoses and influence of prior treatment. J Small Anim Pract. 47: 370-376.
3. Chervier C, Chabanne L, Godde M, et al. Causes, diagnostic signs, and the utility of investigations of fever in dogs: 50 cases. Can Vet J. 53: 525-530.
4. Tefft K. Fever of Unknown Origin. Em Cohn LA, Côté E. (eds). Clinical Veterinary Advisor Dogs and Cats. Elsevier. 2020; 764-772.
5. WSAVA Therapeutic Guidelines Group (TGG) Strategic plan 2019-2020
Oscar Cortadellas
Professor Associado, Departamento de Medicina e Cirurgia Animal

HOSPITAL CLÍNICO VETERINÁRIO

UNIVERSIDADE CEU CARDENAL HERRERA