Tempo de leitura: 2 minutos

Por que razão as gorduras não são adequadas nas gastroenterites nos cães? Algumas dietas para gastroenterites contêm lípidos, como os do óleo de coco. De que forma influenciam na digestão de gorduras e favorecem o aparecimento de diarreia? Qual o papel desempenhado pelos ácidos gordos de cadeia média?

A gastroenterite nos cães é uma doença que tem cura. Mesmo assim, a composição da dieta administrada é importantíssima para a resolução das gastroenterites nos cães. No intestino, os enterócitos encontram-se atrofiados e com uma menor capacidade de retenção de água e de absorção de nutrientes, razão pela qual os alimentos para cães com diarreias devem ser facilmente digeríveis.

Um dos nutrientes mais problemáticos de digerir nas gastroenterites nos cães são as gorduras, nomeadamente as gorduras de cadeia longa. Na digestão das gorduras intervêm o pâncreas e a bílis; a membrana dos enterócitos é responsável pela absorção e o sistema linfático intervém antes da chegada ao sangue. Este processo é muito mais complexo do que, por exemplo, o dos hidratos de carbono, como se pode observar no esquema em anexo.

gastroenterite nos cães

Digestão de lípidos, proteínas e hidratos de carbono

Que tipo de gorduras têm uma assimilação mais fácil no processo intestinal?

De modo geral, as dietas para as diarreias caninas possuem um baixo teor de gordura para facilitar a digestão e fornecer ao organismo a energia necessária para a sua manutenção. No entanto, existem certos tipos de gorduras mais facilmente digeríveis e que contribuem para a resolução do quadro de gastroenterite.

É o caso dos triglicéridos de cadeia média (MCT), facilmente assimiláveis. Os MCT são característicos do óleo de coco e são formados principalmente por ácidos gordos de entre 6 a 12 átomos de carbono (C6[ácido caproico]- C12 [ácido láurico]).

gastroenterite nos cães

 

Por que razão utilizar triglicéridos de cadeia média nas gastroenterites nos cães?

Quanto mais rapidamente digeridos e assimilados forem os nutrientes, menos sobrecarregam o sistema digestivo e mais cedo estarão disponíveis para o organismo os utilizar.

Graças ao seu reduzido tamanho e peso molecular, os triglicéridos de cadeia média possuem vantagens na digestão em comparação com os triglicéridos de cadeia longa. São elas:

  • Facilitam o trabalho da lipase pancreática, que os hidrolisa mais rapidamente.
  • Ionizam-se bastante ao pH fisiológico e são mais solúveis no líquido biológico aquoso.
  • Seguem o sistema porta, em vez do linfático.
  • Oxidam-se rapidamente, tornando-se numa rápida fonte de energia.

 

Como é a digestão dos triglicéridos de cadeia média (MCT)?

Devido ao seu reduzido tamanho e peso molecular, os MCT são mais rapidamente hidrolisados pela lipase pancreática do que os ácidos gordos de cadeia mais longa. São rapidamente transportados e passam para o sangue, dissolvidos e unidos à albumina, chegando ao fígado através do sistema porta, onde podem ser utilizados imediatamente e ser uma rápida fonte de energia.

Na figura que mostramos a seguir podemos observar esquematicamente de que forma os MCT seguem um processo metabólico mais simples do que o dos triglicéridos de cadeia longa (LCT), bem como a sua esterificação e transporte até ao fígado, unidos aos quilomícrones por meio do sistema linfático.

 

gastroenterite nos cães

 

Metabolismo dos triglicéridos no intestino, no fígado e no tecido adiposo

Por tudo isto, os triglicéridos de cadeia média chegam antecipadamente ao fígado.

De forma sucinta, podemos afirmar que os triglicéridos de cadeia média possuem uma digestão, absorção e transporte mais rápidos e fáceis do que os de cadeia longa, o que origina vantagens quando existem transtornos gastrointestinais nos cães, nos quais estes processos estão alterados.

 

New Call-to-action