Leishmaniose canina: update do tratamento farmacológico e nutricional

O espaço de referência dos veterinários #SomosVets

Leishmaniose canina: update do tratamento farmacológico e nutricional

Hoje faremos uma revisão da doença e tratamento da leishmaniose canina, uma das patologias caninas transmitidas por mosquitos mais predominantes na zona mediterrânica.

Medicina e cuidados

Amplie seus conhecimentos sobre os sintomas da leishmaniose em cães DESCARREGUE GRATIS ou Research Report

  • A leishmaniose é considerada endémica em toda a zona mediterrânica e o cão é o principal reservatório da doença.
  • Geralmente a leishmaniose canina é transmitida através de um vetor, o mosquito do género Phlebotomus, que injeta o parasita da Leishmania infantum quando pica o cão. A
  • Leishmania infantum é um protozoário intracelular forçado, que vive e se reproduz nos diferentes órgãos, afetando-os de forma sistémica e provocando a degradação progressiva do animal.

leishmaniose canina

Leishmaniose canina: Tratamento farmacológico e necessidades nutricionais

Atualmente, o tratamento da leishmaniose consiste em: - Antimoniato de meglumina (Glucantime) 75-100 mg/kg uma vez ao dia ou 40-75 mg/kg duas vezes ao dia. É administrado durante 4 semanas, mas pode prolongar-se por mais 2-3 semanas se a melhoria não for total nas primeiras 4 semanas. - Alopurinol 10 mg/kg por via oral, duas vezes ao dia, durante 6-12 meses (pode prolongar-se a duração). Foi comprovado que o acompanhamento do tratamento farmacológico com uma dieta adaptada às necessidades destes cães melhora o progresso do animal. Mais concretamente, Romano et al,  estudaram os efeitos de uma dieta com as seguintes características:

  • Elevado teor de antioxidantes como estimulante imunitário.
  • Níveis de proteína adequados a animais adultos de elevado valor biológico, para ajudar na recuperação de massa muscular minimizando os efeitos negativos a nível dos rins.
  • Alta digestibilidade e palatabilidade para ajudar na recuperação do peso.
  • Conteúdo reduzido de bases púricas para prevenir a formação de cálculos de xantina, como efeito secundário do tratamento com alopurinol. 

Amplie seus conhecimentos sobre os sintomas da leishmaniose em cães DESCARREGUE GRATIS ou Research Report

Sinais clínicos da leishmaniose canina: as lesões cutâneas

A leishmania atua a nível sistémico ou visceral, afetando vários órgãos e sistemas, razão pela qual deveria ser incluída na maioria dos diagnósticos diferenciais. A maioria dos cães (cerca de 80%) desenvolvem sinais dermatológicos, que são os mais frequentemente diagnosticados. Além disso, a grande maioria também desenvolve sintomas gerais indeterminados, como apatia, febre e atrofia muscular, entre outros. Posteriormente, a doença pode evoluir e podem igualmente aparecer problemas do foro geral de vários órgãos, como epistaxe, problemas renais, hepatomegalia, etc. Em resumo, podemos dizer que existem dois tipos de sinais e sintomas clínicos:

  • Nos lugares onde o parasita se multiplica: inflamação granulomatosa não purulenta localizada.
  • Diferentes localizações anatómicas: por depósito de imunocomplexos.

Por que razão existem cães infetados pela leishmaniose canina que não apresentam sinais clínicos?

Os cães desenvolvem diferentes manifestações da infeção por leishmania e alguns deles apresentam sintomas clínicos muito evidentes. Por outro lado, há outros nos quais não se observam manifestações clínicas. Constatou-se que estes fenótipos são o reflexo da resposta do sistema imunitário do animal e que dela irá depender a progressão da infeção e a resposta ao tratamento:

  • Cães infetados com sinais clínicos: resposta imunológica humoral, não protetora, que é incapaz de controlar a infeção (Th2).
  • Cães infetados sem sinais clínicos: resposta celular e protetora (Th1).

Assim sendo, testar o sistema imunitário de cada cão pode ser importante para avaliar a resposta ao tratamento. Existem vários testes para caracterizar o perfil imunológico dos cães com leishmania. Uma publicação do Dr. Lluís Ferrer e cols. conclui que os melhores testes para esta avaliação seriam uma combinação de sorologia (deteção de anticorpos antileishmania IgG1, IgG2 e IgGs totais), o teste de hipersensibilidade cutânea retardada (DHT) e a medição das citocinas (gama-interferão, factor de necrose tumoral) depois da estimulação com antigénio leishmania.   Deste modo, podemos classificar em 4 grupos os cães que vivem em zonas endémicas:

  1. Cães saudáveis e não infetados
  2. Cães infetados mas resistentes (resposta Th1)
  3. Cães com leishmaniose patente (resposta Th2)
  4. Cães infetados, com uma resposta Th2, que irão desenvolver a doença.

AFF - TOFU - Guía GI Parte1 - POST

Referências:
1. Lluís Ferrer e Xavier Roura. Sinais clínicos da leishmaniose canina. 31 de agosto de 2010. Argos Portal Veterinário[web]. Disponível em: http://argos.portalveterinaria.com/noticia/6240/articulos-archivo/signos... Ferrer L, Solano-Gallego L, Arboix M, Alberola J. Avaliação da resposta imunológica específica nos cães infetados com Leishmania infantum. Vet Dermatol 2000; 11 (suppl. 1):1-13 

 

Vets & Clinics

Espaço de referência para veterinários