Tempo de leitura: 3 minutos

 

O vírus da leucemia felina apresenta sintomas muito diversos e pouco diferenciados. A doença pode ser mortal. Atualizamos os seus conhecimentos através da informação mais recente publicada em revistas científicas.

A infeção crónica pelo vírus da leucemia felina pode ter consequências mortais nos gatos. Dada a sua importância, elaborámos uma atualização focada em alguns aspetos publicados recentemente, que poderão ser do seu interesse.

 

New Call-to-action

 

Selecionámos 3 publicações:

  1. Qual o papel terapêutico da vacina contra o vírus da leucemia felina?
  2. Podemos comparar os fatores de risco aos do vírus da imunodeficiência felina?
  3. leucemia felina está relacionada com a gengivoestomatite crónica felina?

 

Leucemia felina: a vacina como tratamento do vírus

1) O estudo publicado por Helfer-Hungerbuehler et al em 2015 estudou se a vacina do vírus da leucemia felina podia fazer com que os gatos com infeção crónica pudessem eliminar a infeção. Para isso foram vacinados experimentalmente 6 gatos infetados com o vírus da leucemia felina, que sofriam de infeção persistente.

Não foi observada nenhuma diferença estatisticamente relevante no que diz respeito à carga viral de ARN do vírus, à carga do antigénio p27, ao valor de anticorpos face ao do vírus nem à esperança de vida dos felinos. Ainda que alguns gatos tenham sido capazes de sintetizar anticorpos contra o vírus, estes não causaram nenhum tipo de efeito protetor sobre ele.

Por último, concluíram que a vacinação terapêutica nos gatos clinicamente saudáveis com infeção persistente do vírus da leucemia felina não apresenta nenhuma vantagem, pelo que antes da vacina seria necessário estabelecer se o gato já apresentava ou não a infeção pelo vírus da leucemia felina.

 

Fatores de risco do vírus da imunodeficiência felina e do vírus da leucemia felina: Pontos comuns

2) O estudo publicado por Chhetri et al em 2015 compara os fatores de risco existentes para que um gato seja seropositivo ao vírus da imunodeficiência felina e ao vírus da leucemia felina. Este estudo surgiu a partir das discordâncias que existem na bibliografia sobre os eventuais fatores de risco comuns que estes dois vírus partilham. Foram estudados 696 gatos seropositivos ao vírus da imunodeficiência felina e 593 seropositivos ao vírus da leucemia felina de forma retrospetiva.

Compararam-se os fatores de risco comuns descritos na bibliografia, como a idade, o sexo, a exposição  ao ar livre e a condição sexual. Estatisticamente, as probabilidades de gatos adultos e machos, independentemente da condição sexual e da exposição ao ar livre, serem seropositivos ao vírus da imunodeficiência felina foram maiores.  A doença clínica foi o fator mais importante para serem seropositivos ao vírus da leucemia felina.

 

A gengivoestomatite crónica felina e a sua relação com o vírus da leucemia felina

3) O estudo levado a cabo por Rolim et al em 2016  caracterizou, a nível clínico, patológico, imunohistoquímico e molecular 27 gatos com gengivoestomatite crónica felina (FCG). Para isso analisaram amostras das lesões através de uma análise histológica e de uma análise imunohistoquímica ao calicivírus felino, vírus da leucemia felina e vírus da imunodeficiência felina.

Clinicamente concluiu-se que as manifestações mais frequentes são:

leucemia felinaEm relação à presença de antigénios do vírus nas amostras, foram encontrados antigénios do vírus da leucemia felina em até 29,6% dos gatos. O vírus da imunodeficiência felina foi detetado num gato e o calicivírus felino em nenhum.

Perante estes resultados, concluiu-se que os casos de FCG não aparentam estar relacionados com o calicivírus felino e sim mais com o vírus da leucemia felina.

Se gostaria de estar atualizado, num minuto, relativamente às últimas novidades publicadas nas melhores revistas de veterinária, classificadas por especialidades, visite http://www.affinity-petcare.com/veterinary/actualidad-veterinaria/abstracts

 

Artigos relacionados:

 

New Call-to-action