Tempo de leitura: 2 minutos

 

Existem várias plantas medicinais benéficas na luta contra os parasitas intestinais dos gatos. Neste artigo destacamos as mais importantes.

ALHO: O Allium sativum é uma planta da família das Liliaceae, perene, com folhas finas, achatadas e compridas. A sua parte mais conhecida é o bulbo, subterrâneo, formado por vários dentes.

Possui propriedades anti-séticas, antifúngicas, anti-helmínticas, antiateromatosas, anticoagulantes das plaquetas, diuréticas, hipotensivas, anticolesterol e anti-hipoglicemia. Os dentes são administrados por via oral, misturados na comida.

 

New Call-to-action

 

Os seus princípios ativos são o óleo essencial, a mucilagem, as glucoquininas e o germânio. Demonstrou cientificamente ser eficaz contra parasitas intestinais nos gatos, do tipo Ascarium suum ou do tipo protozoário Giardia.

Quando cru, não convém disponibilizá-lo à vontade do cão, já que a partir de certas doses poderá ter efeitos secundários neste animal.

 

ARTEMÍSIA: A Artemisa vulgaris é uma planta da família das Compositae, com folhas verdes e pretas na face superior e esbranquiçadas na face inferior. Nas axilas surgem botões de flores, entre 10 a 12, avermelhados ou amarelados.

Por meio de experiências clínicas demonstrou-se que os seus princípios ativos são eficazes contra parasitas intestinais dos gatos, como as lombrigas. Os princípios ativos encontram-se nas folhas e na raiz. São eles os taninos, a resina e a inulina.

 

ABÓBORA: A Cucurbita pepo é uma planta da família das Cucurbitáceas, com folhas muito grandes, cobertas de vilosidades urticantes. As suas flores são amarelas.

É utilizada como tratamento contra os parasitas intestinais dos gatos e dos cães, obtendo grandes resultados contra a ténia. Os seus princípios ativos (cucurbitina, albumina, lecitina, resina e fitosterina) encontram-se em grandes concentrações nas suas sementes. Estas são administradas (secas e frescas) inteiras ou moídas, divididas em três doses diárias.

 

CRAVO-DA-ÍNDIA: A Eugenia caryophyllata é uma árvore de folha perene da família das Mirtáceas.  Possui propriedades anti-séticas, analgésicas, antiparasitárias, carminativas, cicatrizantes e estimuladoras do apetite.

É eficaz contra parasitas intestinais dos gatos, como as lombrigas e ténias. É administrado por via oral, através de infusões. A sua eficácia aumenta se for combinado com Salvia officinalis, que contém alfa-tujona.

 

QUÁSSIA-DA-JAMAICA: A Picrasma excelsa pertence à família das Simarubáceas. Possui propriedades tónicas, colagogas, eupeóticas, antipiréticas e vermífugas.

É administrada por meio de uma infusão aplicada através de clisteres. Tem efeito antiparasitário contra os oxiúros nos gatos e nos cães.

 

ZIMBRO: O Juniperus communis é um arbusto da família das Cupresaceae com propriedades anti-séticas, anti-reumáticas, antimicóticas, diuréticas, desinfetantes, expetorantes e anti-hipoglicemia.

Contém monoterpenos, sesquiterpenos, resina, taninos e ácidos orgânicos. É utilizado como anti-sético e acaricida. 

Uma das suas utilizações mais importantes é contra os parasitas intestinais dos gatos e de outros animais, sendo de destacar o seu uso contra os helmintos.

 

TANÁSIA: A Tanacetum vulgare pertence à família das Compositae.

A sua comercialização em Espanha está restringida por lei ao âmbito farmacêutico. São utilizadas infusões elaboradas com as suas sementes. Também é possível usar as cabeças da flor secas e trituradas, dissolvidas em água. A sua ação paralisa a atividade dos helmintos.

 

PIMENTA-DE-CAIENA: A Capsicum mínimum é uma planta da família das Solanaceae. As suas flores brancas transformam-se num fruto que vai mudando de cor até ao vermelho, à medida que amadurece.

Trava os sintomas causados pelos parasitas. Possui uma ação regeneradora e estimulante, que melhora sintomas como a fraqueza ou os vómitos.

 

As plantas medicinais podem ser uma grande ajuda para combater os parasitas intestinais dos gatos. É necessário administrá-las sempre de forma controlada, consultando o veterinário especialista. Sem controlo, a sua ajuda poderá tornar-se perigosa.

 

Artigos relacionados:

 

New Call-to-action