Vitamina K nos cães intoxicados por dicumarinas | Vets & Clinics

O espaço de referência dos veterinários #SOMOSVETS

Vitamina K nos cães intoxicados por dicumarinas

A intoxicação por raticidas dicumarínicos nos cães é uma situação grave que requer uma atuação urgente. O quadro clínico deriva da falta de uma coagulação correta devido à inibição dos fatores que intervêm nele. O antídoto é a vitamina K.

Nutrição e doenças

Sintomas nos cães intoxicados

Os sinais levam entre 2 e 5 dias para começar, já que os fatores de coagulação e a vitamina K precisam ser esgotados, embora varie de cão para cão. O quadro clínico é de coagulopatia por défice dos fatores de coagulação, causando múltiplas hemorragias: melena, hematémese, epistaxe, hematúria e hematomas subcutâneos, embora em muitos casos os animais apresentem depressão, anorexia e dispneia devido à presença de hemotórax. Também pode produzir sintomatologia sobreaguda morte súbita devido a colapso vascular ou hemorragia cerebral, pericárdica ou torácica, sem sinais prévios. Na inspeção podem observar-se membranas mucosas pálidas ou cianóticas (azuladas), pulso rápido e débil, dispneia, letargia e hematomas em partes diferentes do corpo.  

Mecanismo de ação do raticida

Existe uma larga lista de anticoagulantes classificados como de primeira ou segunda geração, de acordo com a eficácia em ratos resistentes à warfarina. O mecanismo de ação básico é pela redução da vitamina K ativa. A vitamina K é necessária para a síntese de grupos de ácido diacarboxílico, componente dos fatores de coagulação II, VII, IX e X e responsável à união ao cálcio, união necessária para a sua função de coagulação. O processo de síntese dos grupos carboxílicos, a vitamina K é oxidada, transformando-se em vitamina K epóxido que deve ser reduzida depois para voltar a ser ativa.  

Descarregue GRÁTIS → Guia de fisiopatologia gastrointestinal do cão e do gato

Os derivados dicumarínicos inibem este processo de regeneração da vitamina K epóxido a vitamina K ativa e por consequência, existe um défice rápido dos fatores da coagulação II, VII, IX e X, que tem uma vida média muito baixa.  

Prognóstico

O prognóstico do envenenamento dicumarínico é de bom a excelente, mesmo nos casos mais graves, embora, como em muitos casos, dependa da rapidez com que é tratado.  

Tratamento

É muito importante poder determinar o raticida que causou o envenenamento para determinar a agressividade e a duração do tratamento. Inicialmente, pode-se induzir o vómito ou realizar uma lavagem gástrica (carvão ativado e cloreto de sódio catártico) caso a ingestão seja recente. Em relação à vitamina K nos cães, trata-se de um tratamento de choque nos cães acidentalmente intoxicados por raticidas anticoagulantes. O tratamento de escolha é a vitamina K1, que é rapidamente utilizável para a síntese de novos fatores de coagulação que começa 6 a 12 horas após a administração (administrar inicialmente 3-5 mg / kg IM, SC ou IV, dependendo da geração de warfarina, repita a dose após 12 horas). Devido ao intervalo de tempo demorado da vitamina K nos cães, em casos muito graves será necessário o tratamento de suporte:

  • Se o animal apresenta uma hemorragia maciça e está em choque hipovolémico, uma transfusão de sangue deve ser feita e medidas de suporte sintomático tomadas para choque e fluido terapia.
  • Toracocentese para aliviar a dispneia de derrame pleural (risco de causar uma nova hemorragia).

Uma vez controlada a hemorragia, o tratamento com administração oral de vitamina K no cão (fitonadiona, dose de manutenção de 5 mg/kg /dia em 2 doses) deve ser continuado até que os tempos de protrombina se normalizem (pode levar meses em alguns dicumarínicos).

AFF - TOFU - Guía GI Parte2 - POST