Cancro do baço: prognóstico do linfoma esplénico em cães | Vets & Clinics

O espaço de referência dos veterinários #SomosVets

Cancro do baço: prognóstico do linfoma esplénico em cães

Existem dois tipos de linfomas localizados no baço, ambos de células B, com um melhor prognóstico e com uma boa evolução após a remoção do baço. Em geral, o linfoma em cães é um achado casual durante a avaliação por outros problemas (a maioria não tem sintomas associados) e o diagnóstico de linfoma faz-se por histopatologia após a remoção do baço por esplenomegalia ou pela presença de um nódulo.

Medicina e cuidados

Existem dois tipos de linfomas localizados no baço, ambos de células B, com um melhor prognóstico e com uma boa evolução após a remoção do baço. Em geral, o linfoma em cães é um achado casual durante a avaliação por outros problemas (a maioria não tem sintomas associados) e o diagnóstico de linfoma faz-se por histopatologia após a remoção do baço por esplenomegalia ou pela presença de um nódulo.

Ocasionalmente, os linfomas esplénicos podem também apresentar gânglios periféricos afetados, mas não é habitual. Quando a doença não está localizada apenas no baço, o prognóstico é pior.

Os linfomas esplénicos de células T têm um prognóstico pior, com sobrevivência de apenas algumas semanas ou poucos meses. É essencial saber o imunofenótipo (B ou T) porque o prognóstico e o tratamento serão diferentes.

Descarregue GRÁTIS → Guia de fisiopatologia gastrointestinal do cão e do gato

Linfoma esplénico

Algumas massas esplénicas cancerosas são classificadas como benignas. Estas incluem o lipoma, o hemangioma e a plasmocitose.

O tumor maligno mais comum no baço é o hemangiossarcoma (HSA). A sua causa é desconhecida. Pode disseminar-se para muitos órgãos.

O HSA também pode causar complicações como a interrupção da cascata de coagulação, que causa uma mistura de formação anormal de coágulos, assim como a incapacidade de controlar a hemorragia interna. Em casos extremos, a perda repentina de sangue pode provocar uma morte súbita.

Outro tipo comum de cancro esplénico maligno é o linfossarcoma, um tipo de cancro que pode ter um tumor primário em qualquer outro órgão (ou seja, pulmão, trato gastrointestinal, fígado).

Sinais

Em muitos casos, um animal com doença esplénica tem muito poucos ou nenhum sinal clínico específico.

É comum o inchaço do abdómen devido ao aumento do tamanho do baço. Se o baço aumentado exercer pressão sobre o estômago, pode causar perda de apetite e vómitos. Outros sinais incluem letargia, febre, perda de peso, hemorragia petequial, anemia, diarreia, aumento da micção, desidratação, pulsação fraca, taquicardia, maior sangramento no local de colheita de sangue (devido à coagulopatia) e maior tamanho dos gânglios linfáticos periféricos.

Se o tumor crescer rapidamente, pode fazer com que o baço se rompa de forma espontânea, com um colapso agudo e dificuldade respiratória, colocando em perigo a vida do animal.

As gengivas pálidas podem ser um sinal de anemia ou choque que, em combinação com uma massa abdominal, pode indicar uma rutura ou torção esplénica. Confirma-se com ecografia antes da cirurgia.

Diagnóstico

Exames a realizar: exame físico, radiografias, análises ao sangue, ultrassonografia (nem sempre se distingue entre hiperplasia e cancro), citologia e exploração cirúrgica.

É necessário realizar uma histopatologia: o exame microscópico de secções de tecido especialmente preparadas e coradas. O relatório histopatológico geralmente ajuda a indicar como será o prognóstico do cancro.

Guia GRATUITO → Guia de fisiopatologia gastrointestinal do cão e do gato parte  2.

Tratamento

A remoção cirúrgica do baço, denominada esplenotomia, é o tratamento de eleição. No caso de um tumor maligno, não se trata a doença com esta intervenção, mas consegue-se desacelerar a sua evolução.

A quimioterapia é utilizada para induzir a remissão e prolongar a vida. Os animais de estimação submetidos a uma esplenotomia e que também recebem quimioterapia podem sobreviver até 9 meses. Os cães e os gatos sofrem menos efeitos secundários do que as pessoas e a sua qualidade de vida é elevada, se esta terapia for instituída imediatamente após a cirurgia.

Existem muitos prós e contras no tratamento, e aplicar ou não a quimioterapia por vezes é uma decisão difícil para os proprietários. Não é possível prever qual será a resposta de cada animal à quimioterapia e como vai tolerá-lo.

Um bom indicador é a sua resposta inicial à quimioterapia. O tratamento pode sempre ser avaliado passadas 1-2 semanas e, se o animal o aceitar bem e se verificar uma boa resposta, o dono poderá decidir se pretende continuar. Na maioria dos casos, vale a pena tentar o tratamento de quimioterapia.

Guia GI Parte 2