Sintomas da gastrite em cães e relação com a Helicobacter | Vets & Clinics

O espaço de referência dos veterinários #SomosVets

Sintomas da gastrite em cães e relação com a Helicobacter

A gastrite é uma das doenças gastrointestinais mais frequentes nos cães, e consiste na inflamação da mucosa gástrica. Pode ser aguda ou crónica, sendo que um tratamento adequado irá bastar para que a doença não evolua para formas mais graves. Ainda que a etiologia do problema não seja totalmente clara hoje em dia, tem-se estudado a sua associação com a bactéria Helicobacter.

 

Nutrição e doenças

Em que consiste a gastrite?

Os sintomas mais frequentes da gastrite em cães são os vómitos e a dor na região do abdómen. A gastrite aguda é quase sempre associada à ingestão de substâncias prejudiciais. Se não for adequadamente tratada, a forma aguda da doença pode progredir para gastrite crónica, cujos danos a longo prazo provocam a atrofia da mucosa.

Quer saber mais sobre os Sintomas da gastrite? Descarregue gratis esta Guia de fisiopatologia gastrointestinal do cão e do  gato

Outras causas da gastrite em cães são as infeções (bacterianas, virais...), o cancro, problemas renais, doenças hepáticas e alergias alimentares. Descarregue grátis o guia de fisiopatologia gastrointestinal do cão e do gato. O tratamento da gastrite crónica atrófica é baseado na dieta específica de fácil digestão, e no tratamento médico. O tratamento farmacológico deverá ser baseado na combinação de protetores gástricos, procinéticos, antibióticos e corticoides.  

Relação com a Helicobacter spp

Com base na fisiopatologia, a infeção por Helicobacter spp foi documentada como sendo um processo de elevada prevalência nos cães. Por forma a avaliar a relação entre a infeção por Helicobacter e a gastrite nos cães, realizaram-se dois estudos.  

No primeiro, levado a cabo em cães da Dinamarca (1), o objetivo foi o de examinar a relação entre a infeção por Helicobacter e a inflamação da mucosa gástrica, bem como com as respostas imunitárias em cães com gastrite espontânea. Para o efeito, realizaram-se biópsias gástricas a cães com transtornos gastrointestinais, bem como algumas a cães não afetados por esse tipo de problemas. Na biópsia, avaliaram-se a presença e densidade de Helicobacter spp, de agentes celulares infiltrados, grau de gastrite, os níveis de RNAm de algumas interleucinas e o interferon gamma através de PCR.

Observou-se infeção na grande maioria das biópsias, não estando associada à presença ou ausência de Helicobacter spp, nem a classe de Helicobacter às diferenças nos níveis de citocinas ou ao grau histológico da gastrite. a gastrite caracteriza-se por uma ativação simultânea de citocinas pró-inflamatórias e imuno-moderadoras Por isso, a importância clínica reside na elevada prevalência de Helicobacter spp nos cães deste país (Dinamarca).

Quer saber mais sobre os Sintomas da gastrite? Descarregue gratis esta Guia de fisiopatologia gastrointestinal do cão e do  gato

No segundo estudo (2), o objetivo foi o de avaliar a prevalência da infeção por Helicobacter spp em cães com doença digestiva crónica, bem como avaliar a relação entre a infeção por Helicobacter spp e a inflamação gástrica.

Para o efeito, realizaram-se biópsias gástricas em cães afetados com vómitos crónicos e diarreia crónica, bem como em cães saudáveis num grupo-controlo, procedendo-se à classificação dos graus histológicos da gastrite como ausente, média, moderada ou grave, e identificando a infeção por Helicobacter spp através de três técnicas (teste de urease, coloração de WS e análise por meio de PCR). Observou-se que nenhum dos cães pertencentes ao grupo-controlo apresentava sinais histológicos de inflamação gástrica, mas todos foram positivos para Helicobacter spp nos 3 testes realizados para o efeito. No grupo de animais doentes, 10% não apresentavam sinais de gastrite, 46% possuíam uma gastrite média, 23% gastrite moderada, 20% gastrite grave, e 13% deles apresentavam atrofia gástrica.

A maioria dos cães revelaram resultados positivos para Helicobacter spp, e apenas 2 deles foram negativos durante pelo menos 2 semanas. Através da coloração de WS, a maior densidade de bactérias espirais foi observada em apenas 1 cão controlo, 1 cão com vómitos e atrofia gástrica relevante, e em 3 cães com diarreia crónica. Não se verificou nenhuma relação entre a hiperplasia linfoide reticular e a densidade das bactérias espirais. Em 5 cães, a sequência de amplicons detectada no exame de PCR evidenciou uma infeção com pelo menos 2 estirpes de Helicobacter spp. Posto isto, concluiu-se que, nos cães, não existe uma relação clara entre os sinais clínicos, a histologia gástrica e a infeção por Helicobacter spp.  

New Call-to-action

Vets & Clinics

Espaço de referência para veterinários