Cães de resgate


Cães de resgate

História

A história dos cães de busca e resgate provavelmente começou há quase 20.000 anos, com a domesticação desses animais. O olfato excepcional dos cachorros é de 10 a 100 mil vezes melhor do que o dos humanos.  Se combinarmos as incríveis habilidades de rastreamento, a lealdade, o treinamento, a resistência e o físico, não é de se estranhar que os cachorros sejam, e sempre tenham sido, tão úteis para missões de busca e resgate.

 

Caçadores

Originalmente, alguns cachorros agiam como caçadores, rastreando as presas durante horas ou até mesmo dias, graças ao cheiro delas, e indicavam com o comportamento quando a presa estava perto.  Essas habilidades são muito parecidas com as que os animais de busca e resgate precisam ter. Por isso, supor que em milhares de anos existiram cachorros que ajudaram a resgatar pessoas é uma coisa lógica.  O registro histórico mais antigo é datado do século XVII e faz referência a cachorros que trabalhavam nas montanhas suíças.  Um dos primeiros cães de resgate mais famosos chamava-se Barry.  Durante a carreira, Barry salvou mais de 40 pessoas. O resgate mais famoso do Barry foi o de um menino que estava dormindo em uma caverna de gelo. Depois de esquentar o corpo do menino com lambidas, conta a história que ele carregou a criança nas costas até o Hospício de São Bernardo, que, posteriormente, deu o nome para essa raça.

 

Terra nova

Outra raça grande, parente próxima dos cachorros das montanhas suíças é a terra nova.  Esta raça surgiu no Canadá no princípio do século XVII.  Os cachorros terra nova têm membrana envolvendo as patas, pelo impermeável e grande musculatura que proporciona a força necessária para eles atravessarem ondas violentas e marés potentes. Por isso eles são ideais para os resgates aquáticos. Ao longo dos séculos, os terra nova impediram que muitas pessoas morressem afogadas. Dizem que um terra nova sozinho resgatou 63 marinheiros que tinham naufragado.  Hoje em dia, os terra nova treinados são usados nas guardas costeiras e para resgatar as pessoas da água em muitos países do mundo, como a Itália e a França. 

 

Missões

Apenas durante os últimos 50 anos, as vantagens do uso de cachorros em missões de busca e resgate foram reconhecidas.  Atualmente, é possível ver cachorros altamente treinados e autorizados em cenários de grandes catástrofes como terremotos, furacões, avalanches ou tsunamis, bem como em atividades locais como buscas de pessoas desaparecidas. Os cachorros treinados em uma ou duas habilidades ajudam, basicamente, a:

 

  • •    Cheirar rastros no ar para localizar pessoas ou corpos, por exemplo, para encontrar sobreviventes nas ruínas de edifícios desabados.  Entre as raças de maior destaque encontram-se o pastor alemão, o labrador retriever, o border collie e o springer spaniel.

  • •    Seguir o rastro de uma pessoa cheirando, por exemplo, o cabelo, a pele ou o suor dela. Raças diferentes podem ser treinadas para a atividade de busca e resgate, incluindo cães pastores, de esporte, de caça e de trabalho.

 

Localizar

Os cães farejadores são muito usados em desastres naturais.  Muitos países, incluindo a Espanha, contam com cachorros altamente treinados para isso. Eles podem ser autorizados internacionalmente e acompanhar os seus cuidadores profissionais em desastres dentro ou fora da Espanha.  Há décadas que esses animais ajudam a polícia a encontrar pessoas desaparecidas.  Eles também são usados para procurar e resgatar as pessoas perdidas, por exemplo, nos Pirineus. Frequentemente, os cães rastreadores trabalham junto com o farejadores para que suas habilidades se complementem e eles localizem as vítimas de catástrofes.